violência contra criança e adolescente:

POR QUE
OCORRE?

POR QUE OCORRE?

PASSE O MOUSE AQUI

PASSE O MOUSE AQUI

Na primeira causa, pode-se destacar a má distribuição de renda, a migração, a pobreza, o acelerado processo de urbanização e a ineficácia das políticas sociais. No que tange aos aspectos histórico-culturais, identifica-se a concepção, ainda vigente, da criança e do adolescente como objeto de dominação dos adultos, merecedores de amor desvalorizado, contaminado pela idéia de fraqueza e inferioridade.

TIPOS DE VIOLÊNCIA
E FATORES DESENCADEANTES

POR QUE OCORRE?

PASSE O MOUSE AQUI

PASSE O MOUSE AQUI

Dentre os tipos de violência mais comuns e os fatores que desencadeiam as agressões citamos a negligência fruto do despreparo para maternagem e paternagem e o referencial de falta de cuidados básicos na infância. A violência física muitas vezes é utilizada como instrumento pedagógico. Já o abuso sexual trata-se de uma falta de fronteira entre as gerações, onde predomina o abuso de poder do mais forte e a cultura de coisificação da criança e do adolescente. A violência psicológica refere-se à depreciação, a ameaças e à rejeição do adulto sobre a criança, desenvolvendo nesta um comportamento destrutivo ou autodestrutivo devido à desvalorização que sofre. 

DADOS DOS
MAUS-TRATOS

DADOS DOS MAUS-TRATOS:

PASSE O MOUSE AQUI

PASSE O MOUSE AQUI

Os maus-tratos praticados pelos próprios pais ou responsáveis são extremamente comuns. Existem pesquisas que apontam a própria família (pai ou mãe) como o maior índice de agressão: pai, 25% dos casos; mãe, 50%; pais, 13%. As pesquisas também apontam que quem revela as violências são geralmente, a comunidade ou pessoas autônomas. Diante disso, é importante observar a dinâmica familiar, que trata a violência ou a negligência de forma natural, ou mesmo como uma forma de resolução de conflitos. 

CONSEQUÊNCIA
DOS MAUS-TRATIOS

CONSEQUÊNCIAS DOS MAUS-TRATOS:

PASSE O MOUSE AQUI

PASSE O MOUSE AQUI

As consequências da violência contra crianças/adolescentes podem ser devastadoras, e muitos pesquisadores já documentaram conseqüências físicas, psicológicas, cognitivas e comportamentais decorrentes de abusos físicos, psicológicos, sexuais e de negligência. 

INTERVENÇÃO E
ASPECTOS LEGAIS

INTERVENÇÃO E ASPECTOS LEGAIS:

PASSE O MOUSE AQUI

PASSE O MOUSE AQUI

     Ressalta-se que a violência, na esfera pública ou privada da família, coloca a criança/adolescente vítima de maus-tratos diante de um verdadeiro pacto de silêncio, do qual fazem parte os pais, os familiares, os vizinhos, os profissionais de saúde, educação, justiça e segurança pública. 
    O Estatuto da Criança e Adolescente – ECA (Lei Federal nº 8.069/1990) – resgata a cidadania da criança por meio da doutrina da proteção integral.

Essa lei tornou obrigatória a notificação de casos suspeitos ou confirmados de maus-tratos contra criança ou adolescente (artigos 13 e 245), e os profissionais de saúde e educação passaram a ter uma razão prática para proceder à notificação: o dever previsto em lei.

CONSEQUÊNCIA
DOS MAUS-TRATOS

CONSEQUÊNCIAS DOS MAUS-TRATOS:

PASSE O MOUSE AQUI

PASSE O MOUSE AQUI

As consequências da violência contra crianças/adolescentes podem ser devastadoras, e muitos pesquisadores já documentaram conseqüências físicas, psicológicas, cognitivas e comportamentais decorrentes de abusos físicos, psicológicos, sexuais e de negligência. 

INDICADORES
 
DE 
VIOLÊNCIA FÍSICA

PASSE O MOUSE AQUI

PASSE O MOUSE AQUI

INDICADORES
 
DE 
VIOLÊNCIA SEXUAL

PASSE O MOUSE AQUI

PASSE O MOUSE AQUI

INDICADORES
 
DE 
VIOLÊNCIA PSICOLÓGICA

PASSE O MOUSE AQUI

PASSE O MOUSE AQUI

ATENDIMENTO EM GRUPO
PARA ADOLESCENTE QUE FORAM VIOLENTADOS

ATENDIMENTO EM GRUPO PARA ADOLESCENTES QUE FORAM VIOLENTADOS:

PASSE O MOUSE AQUI

PASSE O MOUSE AQUI

O atendimento em grupo é uma excelente estratégia para desenvolver habilidades e favorecer a expressão de sentimentos, a socialização de informações, a formação de redes afetivas e superar a situação de violência. 
Estudiosos afirmam que o tratamento de sequelas deixadas pela violência, sobretudo a sexual, envolve, por um lado, intervenções para aumentar as habilidades e competências e, por outro, intervenções para desafiar os pensamentos/sentimentos distorcidos.Durante o processo terapêutico deve-se resgatar o projeto de vida ou mesmo elaborar esboço de propostas para o futuro. Outro ponto a focalizar é a busca de sonhos e desejos para realização pessoal.

RECOMENDAÇÕES
ÚTEIS

RECOMENDAÇÕES ÚTEIS:

PASSE O MOUSE AQUI

PASSE O MOUSE AQUI

       Os casos de violência contra a criança/adolescente necessitam de uma intervenção ampliada, com a participação de uma equipe interdisciplinar: assistente social , enfermeiro, médico, psicólogo e outros que atuam no atendimento, pois é necessária uma discussão sobre os desfechos que a equipe de saúde pretende alcançar, evitando medidas precipitadas, que podem acabar afastando a família.
      O Estatuto da Criança e Adolescente – ECA – prevê que os casos suspeitos ou confirmados de violência contra a criança e o adolescente devem ser notificados ao Conselho Tutelar ou à autoridade competente da localidade.
      O profissional de saúde deve priorizar a assistência à criança e a sua família e encaminhar o caso aos órgãos de proteção, responsabilização e atendimento/acompanhamento.

TIPOS DE
VIOLÊNCIA

TIPOS DE VIOLÊNCIAS:

PASSE O MOUSE AQUI

PASSE O MOUSE AQUI

SAIBA MAIS SOBRE OS TIPOS DE VIOLÊNCIA EM CRIANÇAS E ADOLESCENTE CLICANDO ABAIXO: